Aeroporto de Ribeirão Preto deve ter voos internacionais a partir de 2025, projeta concessionária

Expectativa é de que, após ampliações e reformas da iniciativa privada, Leite Lopes comece a operar viagens para Caribe, América do Sul e América Central. Pista com dimensões atuais é suficiente e não demanda desapropriação de áreas, afirma presidente da companhia.

O Aeroporto Leite Lopes, que acaba de ganhar um novo terminal de passageiros, deve começar a operar voos internacionais a partir de 2025, projeta o presidente da Rede Voa, Marcel Moure.

Quando todas as obras estiverem concluídas, será possível viajar para países do Caribe, América do Sul e Central, de acordo com o representante da concessionária, que em abril deste ano assumiu a gestão da unidade em Ribeirão Preto (SP) por 30 anos

“A Rede Voa de aeroportos já protocolou junto à SAC [Secretaria de Aviação Civil] do governo federal e à Anac [Agência Nacional de Aviação Civil]. Tinha um processo que estava paralisado desde 2003 para carga, e o Aeroporto Leite Lopes vai ser internacional para carga e passageiros com capacidade a partir de 2025 de termos voos para América Central, Caribe e América do sul, com voos comerciais regulares”, confirmou Moure.

Com a abertura de novos itinerários este ano, para capitais como Brasília (DF) e Belo Horizonte (MG), segundo ele, hoje o Leite Lopes já não é considerado um aeroporto regional.

“Esse conceito vai transformar o aeroporto que hoje é o quarto em movimento no estado de São Paulo. (….) Nós estamos estimando que, de dezembro deste ano a dezembro do ano que vem, vamos estar ultrapassando a marca de um milhão de passageiros por ano”, afirmou.

Pista não precisa ser ampliada

Além das obras no terminal de passageiros, com a primeira fase concluída esta semana, o início dos voos internacionais depende da construção de áreas diferentes para embarques e desembarques domésticos e internacionais, dentro das normas federais, o que deve acontecer a partir de 2024, na terceira fase do projeto.

“Acreditamos que, uma vez estando com essa ampliação do terminal com embarque e desembarque segregados, doméstico e internacional, aí sim cumprimos as exigências junto à Anac.”

A pista, com seus atuais 2,1 mil metros de comprimento e 45 metros de largura, por sua vez, não precisará ser ampliada e comporta modelos de aeronaves como Airbus A321 e Boeing 737 Max. “Com esses aviões podemos tranquilamente fazermos a rota para o Panamá, para a Guatemala, para América Central, para toda América do Sul”, diz.

Além disso, o presidente da Rede Voa garante que não há necessidade de fazer qualquer tipo de intervenção nas áreas hoje ocupadas por comunidades no entorno do aeroporto.

“Não temos nenhuma necessidade técnica e operacional e estratégica de desapropriar ninguém, acho que mais importante é harmonizar. Se a gente puder desenvolver o aeroporto trazendo melhoria pra sociedade e impactar o menor possível o cidadão, tenho a impressão que é um ganha ganha, e é isso que nós estamos querendo fazer.”

Novo terminal de passageiros

Após um investimento de R$ 4 milhões, o novo terminal de passageiros inaugurado esta semana no Leite Lopes tem capacidade para acolher 400 passageiros sentados na área de pré-embarque, o dobro do que o prédio comportava antes das obras.

Além disso, o espaço ganhou catracas eletrônicas para agilizar os procedimentos de entrada dos passageiros e monitores com informações em tempo real, bem como teve reformas nos sanitários, além de melhorias na parte elétrica, nos aparelhos de ar condicionado e na rede de internet.

Para a segunda etapa, que deve começar em janeiro de 2023, um projeto paisagístico e arquitetônico contempla a construção de um boulevard com restaurantes em frente ao aeroporto e integrado ao terminal de passageiros.

Por g1